sábado, 15 de setembro de 2007

Frase: A gafe do ministro pavão


"Uma coisa é a segurança real, outra coisa é a percepção da segurança. A segurança real está mantida, ou seja, temos um fato da segurança. A percepção da segurança é que ainda não mudou muito. Para as pessoas, já há uma tranqüilidade, mas evidentemente precisamos que trabalhar na área do conforto e essa área precisamos chegar lá"
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, ao dizer nesta sexta-feira, que ainda faltam algumas conquistas para a total normalidade do setor aéreo.


"Não trabalhem demais, porque isso baiano não gosta"
Nelson Jobim, ministro da Defesa, seguindo o mesmo caminho do presidente da Philips, Paulo Zottolo, que cometeu uma gafe contra o estado do Piauí. O ministro cometeu a gafe ao discursar nesta sexta-feira, em Salvador (BA), para cerca de 200 marinheiros e representantes de ONGs durante encontro promovido pela Organização Marítima Internacional, uma agência da ONU (Organização das Nações Unidas). O antecessor de Jobim no ministério, Waldir Pires é baiano.


"Se o ministro Jobim fosse baiano, talvez não fosse o pavão que é"
Opinião do editor deste blog, que não é baiano mas adora a baianidade e detesta piadinhas preconceituosas de autoridades.


"O ministro, a despeito de ser um grande jurista, certamente cometeu não só uma gafe imperdoável, mas ofendeu a todos que aqui nasceram, vivem e trabalham muito. Afirmações desse tipo só reforçam posturas preconceituosas que em nada somam para o engrandecimento da nação"
Saul Quadros, presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na Bahia, reagindo à declaração de Jobim.


"Não disse que o baiano não gosta de trabalhar. Disse que o baiano é inteligente, que sabe que trabalhar, e só trabalhar, dá neurastenia e intolerância. Agora, trabalhar com lazer e prazer, que é que o baiano faz, é o que traz a possibilidade de sorrir."
Ministro Nelson Jobim, em entrevista, recuando da declaração em dissera que baiano não gosta de trabalhar




Nenhum comentário: