segunda-feira, 2 de julho de 2007

Frases da semana: "Veja, isto é seleção de frases"

"Que bom seria se um parlamentar pegasse febre aftosa. Assim seria possível sacrificar todo o rebanho!"
Ronaldo Felix da Silva, leitor de VEJA de São José dos Campos, retratando o estado de ânimo dos eleitores diante dos sucessivos escândalos envolvendo o Legislativo


"Amei, amei muito. Renan é um homem extremamente inteligente."
Mônica Veloso, em entrevista à Folha de S.Paulo de domingo.


"A beleza é uma forma de poder, é inútil negá-lo. Cria curiosidade. E discriminação. Para mim, é apenas um momento biológico da vida. Sei que se desvanecerá. Na beleza há uma possibilidade de prazer e de dor. Eu não tenho de mim a mesma imagem que os outros têm."
Monica Bellucci, atriz italiana, em entrevista ao jornal La Repubblica .


"Somos um partido sério, sem ladrões, sem mensaleiros. Temos um probleminha com matadores de aluguel, mas isso dá para contornar."
Ratinho Júnior, deputado federal (PSC-PR), fazendo humor com a denúncia contra o colega Mário de Oliveira (PSC-MG), suspeito de ter contratado um matador para dar cabo do deputado Carlos Willian (PTC-MG), plano descoberto a tempo pela polícia.

‘‘O mundo vai se curvar à questão do biodiesel. É apenas uma questão de tempo’’
LULA, presidente da República

‘‘As boas condições em que se encontra o gado são um agravante: tiram do fazendeiro o argumento de que não pode cuidar melhor dos funcionários’’
CALIXTO TORRES, auditor do Trabalho, sobre os empregados da Fazenda São José, no Pará, que dormiam num barraco de palha mal coberto, enquanto o gado ficava sob uma estrutura de madeira e telhados de cerâmica.


‘‘Essa coisa de prender, de fazer calar, é uma coisa que aqui na Europa ninguém compreende. Isso é coisa da Segunda Guerra ou de ditaduras’’
CHRISTOPH GILGEN, representante da Federação Internacional dos Controladores de Vôo, sobre a prisão de alguns controladores brasileiros que criticaram o sistema aéreo.


‘‘A privacidade de um delinqüente deve ser invadida, sim’’
PAULO LACERDA, diretor-geral da Polícia Federal, defendendo o uso de escutas telefônicas em investigações.


‘‘Zapatistas, ex-maoístas, trotskistas e independentes se juntaram e ocuparam a reitoria para que o reitor tivesse o direito do pleno exercício da execução orçamentária e financeira de uma universidade que é puro establishment. É uma subversão pela ordem’’
PAULO ARANTES, filósofo, analisando os 51 dias de ocupação da reitoria da USP .

Nenhum comentário: