terça-feira, 5 de março de 2013

Frases famosas e polêmicas ditas por Hugo Chávez


Frases famosas e polêmicas ditas por Hugo Chávez

A morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi anunciada nesta terça-feira. O venezuelano morreu aos 58 anos. A informação foi confirmada pelo vice Nicolás Maduro em cadeia de televisão pouco antes das 19h. Ontem, um boletim do governo informava que o estado de saúde do líder, operado quatro vezes de um câncer, havia piorado.

"Transmitimos aos seus familiares e a todo o nosso povo a nossa dor. Essa dor imensa, essa tragédia histórica", afirmou Maduro.

Durante seus mandatos, Chávez acumulou frases famosas e controversas. Veja algumas delas:

"Companheiros, lamentavelmente, por ora nossos objetivos não foram conseguidos", dita em 4 de fevereiro de 1992, ao assumir a responsabilidade pelo fracassado golpe de Estado contra o presidente Carlos Andrés Pérez.

Em 19 de março de 2006, durante a transmissão de seu programa Alô, Presidente, para referir-se a George W. Bush, usou o nome do vilão de uma famosa novela venezuelana. Ele também chamou Bush de "covarde", "assassino", "genocida" e "bêbado"

"Ontem o diabo esteve aqui... Neste mesmo lugar, ainda tem cheiro de enxofre", dita em 20 de setembro de 2006 na Assembleia Geral das Nações Unidas, referindo-se novamente a Bush, que havia discursado no dia anterior.

"Saibam administrar sua vitória porque já estão cheios de merda. É uma vitória de merda", dita em 6 de dezembro de 2007, dirigindo-se à oposição depois de perder um referendo para modificar a Constituição.

Em 4 de novembro de 2005, durante a Cúpula das Américas na cidade argentina de Mar del Plata, rejeitou a criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), uma proposta dos Estados Unidos.

"Vão para o inferno, ianques de merda!", dita em 11 de setembro de 2008, durante um inflamado discurso para seus seguidores, quando expulsou da Venezuela o embaixador dos Estados Unidos em solidariedade com a Bolívia, que tomou a mesma iniciativa dias antes.

"Cuba é o mar da felicidade. Para lá, se dirige a Venezuela", dita em 8 de março de 2000, ao receber uma delegação cubana.

Em 18 de abril de 2009, enviou mensagem ao presidente Barack Obama, durante a Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago.

Em 7 de fevereiro de 2010, durante seu programa Alô, Presidente, ordenou a ocupação de um prédio no centro de Caracas. Voltou a utilizar esta frase em outras ocasiões.

"Os exames confirmaram a existência de um tumor com presença de células cancerígenas, que tornou necessária uma intervenção que permitiu a extração total do tumor ", em 30 de junho de 2011, ao anunciar em Cuba que teve um câncer diagnosticado.

Depois de ter sido diagnosticado com câncer, Chávez deixou de utilizar a frase "pátria socialista ou morte" e a substituiu por uma mais otimista.

"Tem rabo de porco, tem orelha de porco, ronca como um porco: você é um porco", dita em 16 de fevereiro de 2012, falando ao candidato opositor nas presidenciais de outubro, o governador Henrique Capriles Radonski.

"Na verdade, estou boxeando com a mão esquerda amarrada e com uma perna amarrada, estou brincando num só pé", dita em 20 de outubro de 2012, ao admitir que o tratamento de radioterapia afetou seu desempenho na campanha para ser reeleito para um terceiro mandato.



"Se eu quero falar com o líder da oposição, não posso -não existe líder da oposição. Tampouco existe ideologia ou projeto alternativo."
Hugo Chávez, presidente deposto da Venezuela, sobre a oposição venezuelana.
Folha de S.Paulo, 27/02/2002

"Risco nenhum. Zero!."
Hugo Chávez, negando que haja qualquer possibilidade de golpe de Estado no país.
Folha de S.Paulo, 27/02/2002

"Aqui não há nenhuma possibilidade de que haja um golpe militar que imponha uma ditadura na Venezuela. De nossas Forças Armadas, é impossível que surja um tirano."
Hugo Chávez. 
Folha de S.Paulo, 14/02/2002

"Os jornalistas, inclusive estrangeiros, vivem me perguntando sobre a cubanização da Venezuela."
Hugo Chávez, dirigindo-se, rindo, ao ditador cubano Fidel Castro durante encontro de países caribenhos nas Ilhas Margarita (Venezuela).
Folha de S.Paulo, 13/12/2001

"Se quiserem parar alguma coisa, os oligarcas vão ter que tomar muito Viagra. Vou dar um conselho à oligarquia covarde. Não fiquem achando que permitiremos alvoroço no país."
Hugo Chávez, sobre a maior greve nacional da Venezuela em 43 anos promovida pelos empresários do país.
O Globo, 11/12/2001

"Não vão me colocar contra a parede. Os que têm de retificar e mudar são os empresários da oligarquia. Essa revolução está armada. Temos armas, fuzis e tanques. Revolucionários, vamos triunfantes à batalha."
Hugo Chávez, afirmando que está disposto a colocar o Exército nas ruas e a decretar estado de exceção para enfrentar a paralisação convocada por empresários contra o pacote de 49 leis decretadas recentemente pelo Executivo.
Folha de S.Paulo, 01/12/2001

"A Alca é consolidar o modelo neoliberal, um dos caminhos ao inferno. As estatísticas indicam que nunca houve tanta pobreza. A América Latina está em seu ponto de debilidade mais profundo. É preciso fortalecê-la antes de negociar acordos comerciais."
Hugo Chávez, deixando claras suas críticas ao neoliberalismo e a Alca.
Valor Econômico, 04/04/2001

"Nós tememos que o conflito colombiano sofra uma escalada militar muito perigosa, que poderia levar a uma vietnamização no continente."
Hugo Chávez, criticando a "militarização" do processo de combate ao narcotráfico que a Colômbia acerta diretamente com os EUA.
Folha de S.Paulo, 31/08/2000

"Este não é o reino de Deus, está mais para o reino de satã."
Hugo Chávez, dizendo que as políticas econômicas "liberais selvagens" transformaram o mundo no 'reino de satã'.
Folha de S.Paulo, 19/08/2000

"Estamos começando a contra-ofensiva, vamos soltar toda a cavalaria e vamos ser implacáveis. A ordem é perseguição, ataque implacável."
Hugo Chávez, sobre os que se opõem ao projeto de Constituição apresentado e defendido por ele e que deverá passar por um referendo dentro de 15 dias.
O Globo, 02/12/1999

"Vade rettro, Satanás! Não! Na Venezuela não há lugar para o neoliberalismo."
Hugo Chávez.
Folha de S.Paulo, 22/11/1999

"Nós andamos de reunião de cúpula em reunião de cúpula, e nossos povos, de abismo em abismo."
Hugo Chávez, sobre os presidentes de países da América Latina, ontem na Folha.
Folha de S.Paulo, 26/08/1999

"A política é a continuação da guerra, eu me sinto um guerreiro da política, um combatente político. Minha formação de guerreiro militar tem sido maravilhosamente útil no combate político."
Hugo Chávez.
Folha de S.Paulo, 25/08/1999

"Eu quero que todo mundo veja que não sou um tirano, nem um diabo, nem mesmo alguma espécie de gorila."
Hugo Chávez, tentando desfazer-se da imagem de golpista.
Veja, 06/01/1999

"Populista não. Eu sou um democrata."
Hugo Chávez, rebatendo as críticas de que ele seria um populista.
Jornal do Brasil, 16/12/1998

"Vamos fazer um favor ao mundo ao pôr ordem nesta enorme bagunça."
Hugo Chávez, quando candidato à Presidência da Venezuela.
O Estado de S.Paulo, 29/11/1998

Nenhum comentário: